Máquina de escrever [Lembranças que o Google não apagou]

FazendoAcontecer.net.

Produtividade pessoal com GTD? É no FazendoAcontecer.net.

Como mudar sua vida de forma inteligente? É no FazendoAcontecer.net.

Dicas e truques de internet e computação? É no FazendoAcontecer.net.

Lifehacking? É no FazendoAcontecer.net.
Assine nosso feed RSS.

lembrancas-que-o-google-nao-apagou-500-trans
“A máquina de escrever é um instrumento mecânico, electromecânico ou eletrônico com teclas que, quando premidas, causam a impressão de caracteres num documento, em geral de papel.” Apesar de superadas, as máquinas de escrever foram importantíssimas até a massificação do computador pessoal na década de 90. Por causa disso, serão nosso tema do Lembranças que o Google não apagou.

maquina-escrever

A definição acima é da Wikipédia e descreve bem o que era uma máquina de escrever. No entanto, acredito que não seria exagero acrescentar que elas foram também precursoras dos computadores.

Claro que as funções das máquinas de escrever, mesmo as mais modernas, eram extremamente limitadas se comparadas a um computador — elas apenas imprimem texto em papel. Ainda assim, tiveram um papel importantíssimo, principalmente se considerarmos que foram criadas mais de 200 anos antes dos computadores.

Para quem conheceu e usou uma máquina de escrever, vale a pena relembrar. Para aqueles que só ouviram falar, esta é a oportunidade de saber um pouco mais dessas maravilhas da engenharia.

História da máquina de escrever

O primeiro dispositivo para escrever mecanicamente foi patenteado pelo inglês Henry Mill, em 1714. Porém, a patente não detalha o funcionamento da máquina, nem sua aparência. Também não há desenhos, portanto não se sabe se era uma máquina de escrever como conhecemos.

Em seguida, vários outros inventores espalhados pelo mundo fizeram suas próprias versões de dispositivos mecânicos para escrever. Um dos mais conhecidos foi Pellegrino Turri, em 1808, que também criou o papel carbono. Turri criou sua máquina para facilitar a comunicação com pessoas cegas e sua grande vantagem era que usava um teclado para escrever.

Outros que desenvolveram seus próprios modelos foram o inglês William Austin Burt (1829), o norte-americano Charles Thurber (1843) e o padre brasileiro Francisco João de Azevedo (1861).

HansenWritingBall_color

O primeiro modelo a ser vendido comercialmente foi o dinamarquês Malling-Hansen, criada pelo pastor Rasmus Malling-Hansen. Devido aos extensivos testes feitos por Hansen, sua máquina é reconhecida como a primeira a escrever mais rápido que a mão.

No entanto, o primeiro sucesso comercial pertence ao norte-americano Christopher Sholes, de 1867, e que trazia um teclado no modelo QWERTY.

A máquina de escrever brasileira

Em 1861, o padre de João Pessoa Francisco João de Azevedo criou a máquina de escrever brasileira. Ele a apresentou na Exposição Agrícola e Industrial de Pernambuco e na Exposição Nacional do Rio de Janeiro. Por seu feito, ganhou a medalha de ouro de D. Pedro II.

Numa história semelhante à de Santos Dumont, acredita-se que o padre Francisco foi roubado por um agente de negócios. Este agente teria vendido os desenhos do padre brasileiro ao americano Christopher Sholes. Sholes, por sua vez, teria adaptado a máquina brasileira e incorporado o teclado QWERTY.

Tipos de máquinas de escrever

Teorias de conspiração à parte, havia basicamente dois tipos de máquina de escrever: de teclado e de índice.

maquina-escrever-teclado

Nas máquinas de teclado, como o próprio nome diz, há um teclado com todas as teclas do alfabeto, semelhante aos dos computadores. Ao apertar uma tecla, a letra correspondente é impressa no papel.

maquina-escrever-indice

Já as máquina de índice possuem uma espécie de seletor de letras e caracteres. Normalmente era necessário girar uma alavanca ou círculo para selecionar a letra a ser impressa. Elas era muito mais lentas que as máquinas de teclado, porém eram bem mais leves e baratas. Uma espécie de modelo portátil da época.

Há uma outra diferença significativa entre as máquinas de escrever que era no dispositivo mecânico que imprimia os caracteres no papel. Havia as barras de teclas, onde cada caractere ficava na ponta de um pequeno braço mecânico. Ao apertar a tecla, o braço se movia e imprimia.

maquina-escrever-travada

Lembro muito bem quando ia no trabalho de minha mãe e brincava em alguma máquina de escrever deste tipo. Adorava apertar várias teclas de uma só vez. Isto travava todo o sistema, pois vários braços eram movidos ao mesmo tempo.

maquina-escrever-esfera

O segundo tipo, mais moderno, foi criado pela IBM (sim, a mesma dos computadores) usava uma esfera de caracteres. Eles tinham maior qualidade, requeriam menos força e, melhor de tudo, eliminavam o problema de travamento das barras de teclas.

As máquinas elétricas

A primeira máquina de escrever elétrica foi criada em 1902 pela Blickensderfer Manufacturing Company. Vários modelos foram criados depois, porém as máquina elétricas só ganharam popularidade a partir de 1933, quando a IBM comprou a Eletromatic Typewriter da General Electric, lançando a IBM Electric Typewriter Model 01 em 1935.

A única diferença entre as máquinas de escrever elétricas e mecânicas é que a primeira removia o sistema de atuação mecânico direto para mover o dispositivo com as teclas até o papel. Nas elétricas, havia um motor que fazia essa movimentação, o que requeria menos força do operador para escrever. Todo o resto da máquina funcionava da mesma forma.

As máquinas eletrônicas

maquina-de-escrever-eletronica-canon

Nas máquinas de escrever eletrônicas é que se pode ver o potencial deste tipo de equipamento. Elas eram verdadeiros editores de texto, com memória e cartuchos. Algumas possuíam até dispositivos de armazenagem externos, como disquetes. Começaram a ser produzidas na década de 70, porém até os anos 90 ainda havia novas máquinas sendo lançadas no mercado.

Herança

Muitas coisas que usamos hoje na computação vieram das máquinas de escrever. Entre elas estão o layout de teclado que usamos, chamado QWERTY. Porém, várias outras expressões que usamos sem perceber têm a mesma origem. Veja alguns:

backspace (voltar um espaço) – Hoje significa apenas apagar o caractere à esquerda. Nas máquinas de escrever, um espaço era literalmente voltado para escrever por cima do caractere anterior ou adicionar um acento, por exemplo.

carbon copy (cópia de carbono) – Quando mandamos email para mais de um destinatário, usamos o campo CC e o lemos como “com cópia”. Na verdade o termo se refere ao uso do papel carbono para fazer cópias — recurso muito comum na époco das máquinas de escrever para duplicar documentos.

cortar e colar – Antigamente era comum recortar um trecho de texto e colar em outro papel. Isso era feito usando tesoura e cola, ou seja, literalmente se recortava e colava o texto.

shift (mudar de posição) – a palavra shift significa mudar de posição. Hoje a utilizamos para indicar a tecla que faz as letras ficarem maiúsculas. No tempo das máquinas de escrever isso era feito mudando a barra de teclas de posição. Isso fazia com que uma letra maiúscula fosse impressa, ao invés da minúscula.

Lembranças

Tenho muitas lembranças com máquinas de escrever. Apesar de nunca ter tido uma em casa, costumava brincar horas com uma delas quando ia no trabalho de minha mãe (uma escola pública em Salvador) ou até mesmo na escola em que estudava. Criava textos, escrevia o nome completo de todas as pessoas da família e apertava várias teclas de uma vez para travar a máquina.

E você? Quais suas lembranças da era das máquinas de escrever?

Share/Save

O que achou do artigo? Comente.


Feed dos comentários15 Comentários

  1. claudinei

    Toda pessoa que não fizesse um bom curso de datilografia estaria incapacitado de datilografar,diferente dos computadores que as pessoas só usam dois dedos para digitar,ou ainda o mouse do computador.

  2. Leandro

    E sem contar q digitar textos longos em uma máquina de escrever deixava a ponta dos dedos doloridas, devido ao esforço para que as letras não saíssem fracas e ai de quem estivesse com a fita de impressão no final, ou ressecada, daí só digitando com um martelo para que o texto ficasse visível, disso não tenho saudade! rs

  3. Humberto

    quando ia virar a fita e ela caía da sua mão e saía desenrolando pelo cômodo todo asuhashuashu
    isso também deixava as pontas dos dedos sujas de tinta

  4. edilson

    eu tenho uma olivetti e tenho o maior xodô.

  5. Julio César Mulatinho - Campos dos Goytacazes/RJ - 27 anos

    Por que o sumiço?

  6. Livio Masuero

    Na minha casa, havia uma Pátria, portátil. Depois, comprei uma Olivetti Lettera 35. Hoje uso o computador.
    No computador, herança das primeiras máquinas, temos o teclado QWERTY inventado para não trancar os bracinhos. Hoje poderíamos usar um teclado mais racional como o DVORAK (com as vogais todas na posição padrão da mão esquerda). Infelizmente no Brasil não pegou este tipo de teclado.

  7. Xandele Martelada

    Massa teu blog Perrone!
    Eu também tive aula de datilografia. Mas não adiantou muito, não. Meu negócio ainda é mais dedo médio e indicador mesmo. Hehehehehe…
    Tenho uma máquina guardada em casa. Um dia ela ainda fará história!
    Grande abraço.

  8. fudencio

    eu odeio maquina de datilografia
    pq eh mt ruim e dexa os dedo doendo

  9. Ano novo, vida nova, mini calendário novo | FazendoAcontecer.net

    […] não seria diferente. Depois de muito tempo parado — o último artigo publicado no blog foi em 11 de setembro de 2009, estamos de volta à […]

  10. Sergio Rosa

    Primeiro quero dar meus parabens, a quem pesquisou e escreveu o artigo. Vou puxar a fila de 2010; Meu comentario e de quem conhece o assunto, porque sou técnico dessas maquinas até hoje, comecei em 1976, trabalhando na REMINGTON e depois FACIT, e depois de alguns anos como empregado,resolvi montar a minha Empresa.
    E hoje, ainda passam pelas nossas bancadas varias maquinas para serem revisadas e reformadas, hoje atendemos tambem, impressora, fax e outros equip. Elas ainda estaõ sendo usadas por muitas Empresas.
    Invento maravilhoso, e se depender de mim irão trabalhar e servir a quem gosta, e não se separa da pequena amiga de tantos anos. Se precisarem de nossos serviços o end. é sergio.maksystem@gmail.com (*necessário) se possivél. foi um prazer comentar,essas meninas fazem parte da minha vida. Um forte abraço a todos, e um feliz 2010,e vamos datilografar!

  11. Neto Francisco

    gostei imenso. se poderem mandar para o meu correio agradeceria…

  12. Luiz Ricardo R. Vidal

    Foi no ano de 1977 quando fiz meu curso de dactilografia em Pirenopolis Goias, tinha idade de 15 anos e em 1979 fui para Brasilia trabalhar na empresa do meu cunhado, eu deslizava nos teclados daquela maquina, era bastante rapido, ganhei bastante dinheiro atraves dela, tenho paixao por, tenho saudades dela, meu sonho era ter aquela maquina, que saudades…

  13. tamara

    tenho q estudar isso p/ feira de ciencias do meu colegio

  14. 100% vida loka

    S2S2S2S2S2S2S2S2S2S2S2S2S2S2S2S2S2S2S2S2S2S2S2S2S2S2S22SKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

  15. Marcos

    Nao encontrei a resposta do que preciso muito saber. Em que ano foi lançada no Brasil, a maquina de escrever elétrica? E no Paraná, em que ano ela entrou no mercado? Marcosgemin@gmail.com

O que você achou deste artigo? Comente.

http://fazendoacontecer.net / Máquina de escrever [Lembranças que o Google não apagou]